06-03-2020

Comunicado

A CP – Comboios de Portugal terminou hoje a reestruturação no âmbito do processo de fusão por incorporação da EMEF – Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário na CP – Comboios de Portugal, dando cumprimento ao estabelecido na Resolução do Concelho de Ministros nº 110/2019.

A fusão por incorporação da EMEF na CP tem como objetivo eliminar redundâncias e condicionalismos decorrentes da anterior tipologia de gestão, de modo a otimizar os recursos e melhorar a articulação entre ambas as partes, numa operação que resulta numa redução de custos da ordem dos 1,2 milhões de euros por ano, de acordo com as conclusões dos estudos efetuados.

Efetuada a fusão, houve necessidade de se proceder a uma alteração orgânica na CP, que originou cisões e fusões de áreas funcionais.

Assim, entendemos esclarecer o seguinte:

1. A definição do novo quadro orgânico da empresa foi orientada por fatores essenciais como a competência dos quadros técnicos, o rejuvenescimento de dirigentes e o foco nas áreas de exploração e manutenção de material circulante;

2. Como o desempenho dos cargos dirigentes na CP se processa em regime de comissão de serviço, a configuração de uma nova estrutura obriga à exoneração de todos os dirigentes anteriores e a nova nomeação;

3. Finalizada a reestruturação da empresa, a CP reduz em 46% o número de diretores. Os 69 diretores existentes na soma das duas estruturas anteriores (CP e EMEF) passam para 37 na nova configuração orgânica.  Em média, passa a existir 1 diretor por cada 100 trabalhadores;

4. O número total de chefias e de funções de responsabilidade diminui, apesar de terem sido criadas novas áreas funcionais e das atividades anteriores da CP e da EMEF serem complementares.

5. A reestruturação agora terminada atribuiu cargos de responsabilidade que visam gerir uma empresa com quase quatro mil pessoas, dispersas geograficamente, com responsabilidades e subespecialidades distintas, como, operações, comercial, marketing, segurança de pessoas e bens, segurança da circulação, manutenção de material circulante, engenharia, sistemas de informação, manutenção de instalações, financeira, pessoal, jurídico, qualidade, higiene e segurança no trabalho, ambiente, responsabilidade social, compras, logística, planeamento estratégico, inovação, gestão de ativos, auditoria, risco, relações institucionais, relações internacionais, entre outras.

6. Esta fusão e reestruturação foi suportada por estudos efetuados por grupos de trabalho da CP e da EMEF, com colaboração da Parpública e de consultores de referência. Os estudos de viabilidade apontam para que o resultado desta operação de fusão e reestruturação permita a poupança significativa referida anteriormente a que acresce ainda o aumento da eficiência dos processos;

7. É do conhecimento público que tanto a CP como a EMEF operavam com significativas carências de pessoal. Esta fusão, para além de aumentar a eficiência, permite eliminar redundâncias e libertar quadros técnicos para a execução de outras tarefas, reduzindo as necessidades de pessoal no grupo CP;

8. As alterações introduzidas ganham uma maior importância se tivermos em consideração que a CP é o maior operador de transporte terrestre de passageiros em Portugal, com uma operação desenvolvida 24 horas por dia e 365 dias por ano, de elevada complexidade e exigência;

9. O Conselho de Administração tem plena consciência do escrutínio a que a empresa está sujeita e dos desafios que enfrenta ao abraçar um projeto de alteração profunda na sua forma de funcionamento;

Estes esclarecimentos são importantes para defender a imagem da empresa, mas também para honrar o esforço dos milhares de trabalhadores da CP que, diariamente, se dedicam a garantir a mobilidade nacional, regional e urbana de muitos milhões de passageiros.